Que metade mereces de mim??!


 
 
 
Hoje sou assim, porque a vida obrigou-me a isso. Sei ser resistente e irritante no tempo certo. Sei ser sensível no "timing" perfeito. Questiono-me muita vez como consigo ser tanta personagem num só corpo, numa só mente. Por vezes, sinto-me até a pessoa mais horrível do mundo, só por não conseguir ser exigente na altura correta. Sou uma jovem no meu cartão de cidadão. Tento transparecer o mesmo no meu rosto, mas não é fácil. Difícil é ter de ficar uma (algumas) noite(s) em branco, só porque aquele dia correu mal e, no outro dia acordar e, parecer (ou tentar parecer) de que, nada aconteceu. Mesmo ultimamente, todos os produtos de maquilhagem têm que agradecer-me. E, já agora, aos produtos desmaquilhantes, aos meus séruns e produtos hidratantes. A vida obrigou-me a crescer depressa demais em certos sentidos e, deixar outros ir crescendo e, amadurecendo por si. Aprendi a cair e, a levantar-me segundos depois. Aprendi a sofrer sozinha. Aprendi a contar apenas só comigo. Tenho a plena consciência que a mente não corresponde à minha idade. À conta disso, nem gosto de pronunciar os algarismos, nem tão pouco de estar de aniversário. Acho apenas engraçado pelo dia em que nasci (25 de abril - Em 1974, foi a Revolução dos Cravos - Dia importante para Portugal e, tal!) E, as minhas palavras são prova disso. Aprendi a "sustentar-me" sozinha. Aprendi a ter dó e pena apenas só de mim. Com a vida aprendi apenas a olhar só para o meu umbigo. Pode parecer egoísmo, mas se não o fizer, quem fará??! Aprendi a chorar em silêncio. Aprendi a ligar muito às coisas materiais, pois são as que são visíveis a olho nu. Aprendi talvez... a ser bipolar, talvez, pois num momento quero e espero tudo e, noutro não aguardo nada e, deixo a caravela navegar pela maré. Deixo o meu futuro em aberto, pois tenho imensos sonhos que sei que não conseguirei os realizar. Aprendi talvez... a não sonhar! Aprendi a ... olhar-me ao espelho. Sim, da cabeça aos pés. Talvez, para ver se estava elegante, ou para valorizar-me? Adoro colocar o meu batom pela manhã todos os dias, porque detrás dele, escondo a minha verdadeira mágoa pela vida. Comecei a ver oportunidades magníficas como incertezas. E, pela incerteza comecei por tentar-me encontrar pelo meio. Já não sou a menina doce e tímida que há muito conheceram. Cresci. Sou Mulher. Tenho ar imaturo, talvez. Se fazem-me uma questão simples, demoro imenso tempo a responder, pois aprendi a pensar antes de falar. Aprendi a controlar os meus receios e ansiedades. Como pronuncia Mariza numa melodia "Sei que o melhor de mim está por chegar" (música: Melhor de Mim - Mariza) e, é com este lema de vida que todos os dias acordo. Aprendi a não ser linear. Aprendi a ser uma pessoa diferente todos os dias (talvez, seja mesmo bipolaridade kkkk). Aprendi a estar certa de mim, das minhas capacidades. Aprendi a acreditar em mim. Mas, com todo o mundo a mover-se a todo o segundo, aprendi a ser confusa também. Com tantos encontros e, desencontros aprendi a não ser constante. Sou uma pessoa confusa e, muito indecifrável. Aprendi a ver emoções pelo olhar. A dar valor às pequenas coisas que a vida nos oferece. Aprendi a olhar talvez, pelas ações. Aprendi a dar valor, pelo que está escrito e, não apenas dito. Dito, hoje dizes, amanhã já esqueceste do que disseste. Aprendi a emocionar-me com poucos gestos. Aprendi, a ver a bondade, mas também a maldade. Aprendi a confiar que talvez o mundo seja leal comigo, um dia. E, que esse dia ainda está por chegar. Ou talvez, não! Aprendi a controlar sentimentos e, a emocionar-me sem demonstrar. Aprendi a dar força a tudo e todos e, procurar pela minha. Apenas, Hoje aprendi a ser diferente. E, ora sou amarga, ora sou muito doce. Qual parte mereces de mim??!
 
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Hoje meu, amanhã teu!

Crónica: Pede-me o Que Quiseres Agora e Sempre de Megan Maxwell | 2 Volume da Saga

Crónica: Pede-me o Que Quiseres ou Deixa-me de Megan Maxwell | 3 Volume da Saga